sábado, 6 de fevereiro de 2010

Halitose: como evitar esse mal no seu filho



Halitose é um termo que quer dizer “mau hálito”. É um sinal de que algo não vai bem e pode revelar alguma alteração no organismo. Devemos sempre estar atentos a estas alterações e identificar as causas para que o problema - invisível aos olhos, mas muito sensível ao olfato - não exista mais.
Muitas vezes o mau hálito pode ser consequência de inflamações nas vias respiratórias, como sinusite, amigdalite, rinite ou adenóide, que fazem com que a criança respire pela boca, causando uma diminuição da saliva (xerostomia). Outros fatores podem provocar essa mesma diminuição, por exemplo, quando a criança fica muito tempo em jejum, sofre momentos de estresse ou tem diabetes. Cáries e problemas gengivais também podem desencadear o mau cheiro na boca, por isso é tão importante fazer visitas regulares ao dentista.
Alguns tipos de amídalas (casiosas) possuem cavidades que retém alimentos provocando o acúmulo e a proliferação de bactérias, mais um fator que desencadeia o mau hálito em crianças. Dificilmente a causa é gástrica, em quase 90% dos casos a origem é bucal. Na parte superior da língua existem milhares de papilas - como um tapete felpudo que reconhece o gosto dos alimentos - e entre elas existem espaços que retém resíduos. Mais tarde, eles fermentam e, se não forem removidos na hora da escovação, podem provocar um cheiro muito desagradável.
Devemos sempre tomar algumas precauções, escovando cuidadosamente todas as superfícies, fazendo o uso de fio dental para remover o alimento entre os dentes e principalmente escovando as partes moles da boca, a língua em especial. Se houver desconforto, escove-a sem pasta, mas faça movimentos de dentro para fora para retirar todos os resíduos que se acumularam entre as papilas, no dorso e nas laterais da língua.
Hidrate bastante a criança e se ela for respiradora bucal, procure ajuda especializada para identificar o problema e resolvê-lo o mais rápido possível. O mau hálito causa problemas de sociabilidade, portanto vamos ficar atentos e cuidar das crianças com muito carinho, pois, como sempre, uma boa higiene na infância depende da ajuda dos pais! Nada de “bafinho” em casa, combinado? 

Como visto em: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI83014-15996,00.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário